Textos

Escrevo Amo Fluo
Eu te vejo inteira, querida
O amor adormecido no
Cobertor dessa sua vida

Penso em seus gestos triviais
Lembro vc a dançar em ritmo
De espera e de esperança

Eras apenas desejo e sedução
Eras somente linda e cantavas
Calada a canção macia, radical

Enquanto escrevo viajo em tua
Juventude. Madalena passeia
As mãos por meu passado irado

Eu preciso dizer que meu amor
Multiplicou-se por essas coisas
Pelas quais dançaste o mundo

Girou,  pela primeira vez fez
Sentido e se desdobrou em
Tudo e todas as coisas estão

Desde então sob o brilho da
Luz do sol dessa lembrança
Que não se desfaz: seus pés

A fazer girar todo universo
À velocidade da luz. Essa
Lembrança não envelheceu

Sessenta primaveras e eu
Como que à espera de que
Despertes o futuro q não te

Esqueceu e está a te amar...

Decio Goodnews
Enviado por Decio Goodnews em 26/03/2013
Alterado em 26/03/2013


Comentários